Sobre

O Memorial

O Memorial Penha de França é envolto de história, arte e cultura, tornando-se um marco não apenas para o bairro da Penha de França como para a cidade de São Paulo.
Situado em um casarão histórico datado de 1930, o local está protegido pelo Patrimônio Histórico. Nele, acontecem cursos, oficinas, exposições, saraus, atividades escolares, ensaios, eventos, dentre muitas outras atividades.
O local ainda conta um acervo digital de aproximadamente 600 imagens restauradas (a mais antiga de 1905), gravuras do período colonial e documentos de resgate cultural e histórico.
Os espaços são compostos pelo estúdio Cris Ferrantini, Sala de Exposição Hedemir Linguitte, uma pequena biblioteca com livros e documentos de pesquisas de assuntos já tratados no Memorial, um espaço de convivência (café), um pequeno museu com câmeras e equipamentos eletrônicos da fotografia. Os visitantes são recebidos como se estivessem entrando na casa antiga de um amigo. O espaço é bem intimista, pois foi respeitado a arquitetura original da antiga residência sem sofrer qualquer mudança, o que dá uma atmosfera de aconchego e um clima favorável à conversas, trocas de experiências, ouvir contação de histórias da Penha de França, assunto preferido de seus curadores.

 

***

Origem e Conteúdos

Tudo começou com a formação de um Fórum de Preservação do Patrimônio criado pela então Casa de Cultura da Penha (hoje Centro Cultural), formado por profissionais especializados em arquitetura, história, fotografia, arte e patrimônio.
O Fórum conseguiu trazer o Departamento do Patrimônio Histórico da Prefeitura de São Paulo para a Penha. O DPH ficou encantado e surpreso com o que viu e com a ajuda do trabalho voluntário dos integrantes deste Fórum, foi feito um levantamento do patrimônio da colina da Penha de França, que resultou na Resolução CONPRESP 026/2004 protegendo a antiga configuração urbana do centro histórico.
Ao final de 2004, com a previsão das mudanças políticas motivadas pela mudança de prefeitos, os integrantes daquele Fórum fundaram o Memorial Penha de França, e por iniciativa de um dos participantes, Francisco Folco, disponibilizou uma casa antiga herdada da sua família e que estava disponível para ser ocupada pelo o que é hoje. O Memorial Penha de França é um conselho curador do Movimento Cultural Penha, criado em 1995 por artistas da região e hoje um importante ponto de cultura reconhecido em todo Brasil.

 

Muito antes do projeto “Cidade Limpa”, o Memorial Penha de França sob a coordenação da arquiteta Roseli Mourão Baratella, atuou junto aos comerciantes da região conscientizando-os a retirar os painéis publicitários que cobriam a arquitetura original do edifício.
O acervo de fotos antigas restauradas por Francisco Folco desde 1995 foi ampliado com a participação de moradores antigos que contribuíam com fotos guardadas até então em seus “baús”.
Com a colaboração dos estudantes da Escola Estadual Aprígio Gonzaga e sob coordenação de Camila Martin, uma das curadoras, o Memorial gravou uma série de depoimentos de moradores antigos e pessoas importantes que fizeram história na região. A maioria deles já faleceram o que torna este acervo muito rico para as pesquisas das gerações futuras.
De lá para cá, o Memorial Penha de França recebe muitos estudantes de arquitetura, história, sociologia, turismo, arte e outras áreas que buscam informações e imagens da história da colina. O Memorial possui em sua biblioteca, volumes de trabalhos realizados por pesquisadores e doutorados que por lá passaram e fizeram do acervo a raiz de suas pesquisas.

 

***

A Penha e o seu Memorial

A Penha de França foi uma localidade isolada da cidade de São Paulo até o início do século XX. Tem uma história com conteúdo semelhante a de vários outros municípios brasileiros. Começou com estalagens para a pousada de tropeiros, foi caminho para os bandeirantes, fez parte do ciclo de ouro do café, da agricultura, da expansão comercial e da indústria. Salvo alguns livros sem muito aprofundamento, o bairro não tinha história, e nem fazia parte do Departamento de Patrimônio Histórico da Prefeitura de São Paulo. O Memorial Penha de França foi criado para preencher esta lacuna. Ponto de encontro de pesquisadores e estudantes, a Penha foi ganhando sua história através da colaboração, trabalho voluntário e muita pesquisa de pessoas da sua comunidade. Assim como uma mãe que guarda o primeiro sapatinho do bebê como recordação, o Memorial Penha de França tem hoje um acervo que encanta os penhenses saudosos que se emocionam quando vão visita-lo. Não há como separar história e cultura. E o Memorial é hoje também um grande ponto de cultura da região, lugar de encontro de artistas de vários segmentos que participam de seus saraus e planejam atuações no bairro como o Penhafest e a Festa do Rosário.